Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \28\UTC 2013

MEIO LÁ, MEIO CÁ

Hoje, sexta, Nicolas Behr lançará o livro Meio Seio, imagem abaixo, na Mercearia São Pedro. Imperdível o encontro com este grande poeta.

Nicolas

E eu, na mesma noite, estarei em Goiânia, em uma Balada Literária que acontece por lá, imagem abaixo.

Bruno

Apareça tanto cá quanto lá. E vamos que vamos. E depois, com calma, eu conto como foi a minha viagem a Buenos Aires. Aquelabraço e até daqui a pouco, depois de mais uma viagem. Fui, sem ir. E té. E viva e ave!

Anúncios

Read Full Post »

TÃO LONGE, TÃO PERTO

A sensação é de exílio, mesmo. Na semana passada, eu estava no Crato, longe dos protestos. Quando a minha pátria ganhou as ruas, vim para Buenos Aires. Tudo a trabalho. Antecipadamente marcado. Aqui, na Argentina, só fiz chegar e pegar uma diarréia. Dores fortes de cabeça. E uma tristeza que não sei explicar. Todo mundo vem me perguntar sobre a atual situação do Brasil. E logo eu que não gosto de cruzar os braços. Senti-me fraco. Covarde. Feito alguém que sai de casa na hora mais delicada. Ave nossa! Aí mais uma vez a literatura me consola. Vem me mostrar que também estou do lado de cá fazendo a minha passeata. Soltando a palavra de uma outra maneira. Alguns amigos portenhos já vieram me dizer o quanto o meu livro Cuentos Negreros é atual. Nele, você nos fala de um Brasil que está longe do cartão postal. Na verdade, a impotência mundial. Também me disseram: difícil de ser publicada por aqui uma obra tão curta e grossa sobre a realidade brasileira. Foi por essas e outras que eu acabei percebendo por que, logo nessa hora, estou eu lançando a edição argentina de meu livro de contos, saído no Brasil pela Editora Record no ano de 2005. Isto não foi à toa. Algo me conforta. Recebi, há pouco, o seguinte retorno. No seu conto “Solar dos Príncipes”, os pobres batem à porta de um edifício rico para cobrar sua participação na festa. A todo tempo, tem mobilização no seu livro. Enfrentamento. Questionamento. Hoje idem, por exemplo, no jornal Perfil, foi dito que eu, como escritor, vivo “asqueado del jogo bonito, las mulatas en las playas de Copacabana o el éxtasis económico que se pretende mostrar a partir de ahora y hasta el próximo Mundial de Fútbol”. Ave nossa! Mesmo entendendo, de alguma forma, esses sinais que me chegam dos amigos, esses impulsos antigos, esses gritos que me movem, eu quero voltar para casa, rápido. Fazer algo de mais concreto. Não quero, neste momento, estar longe de meu país. Mesmo que a literatura insista em dizer que eu nunca estive, assim, tão perto.

Read Full Post »

NEGREIROS NA ARGENTINA

Acabei de chegar em Buenos Aires. Na segunda, 18 horas, estarei em palestra na Universidade de Buenos Aires (veja imagem abaixo). Na quarta, 19 horas, lançarei Cuentos Negreros no Malba. Traduzido por Lucía Tennina e publicado pela Santiago Arcos. Do papo na Universidade, participará Gonzalo Aguilar. No lançamento, teremos a presença de Washington Cucurto. Nos dois dias, é claro, Lucía estará conosco. E vamos que vamos. Saravá, salve, salve, amém! Depois conto mais novidades portenhas. E valeu e abraços e, daqui da Argentina, deixo o meu abraço companheiro e solidário ao querido povo brasileiro. Fui, sem ir. E té.

Marcelino Flyer UBA (3)

Read Full Post »

FINAL DAS CONTAS

0,1 centavo: pela saúde.
0,1 centavo: pela construção de hospitais.
0,1 centavo: pela educação.
0,1 centavo: pela construção de escolas.
0,1 centavo: pelos professores.
0,1 centavo: pelas vítimas da enchente.
0,1 centavo: pelo saneamento básico.
0,1 centavo: pelas favelas queimadas.
0,1 centavo: pelos desabrigados do Pinheirinho.
0,1 centavo: pelas terras dos índios.
0,1 centavo: pela construção de casas.
0,1 centavo: pelo meio ambiente.
0,1 centavo: pela alimentação.
0,1 centavo: pela segurança pública.
0,1 centavo: pelas mães que perderam seus filhos.
0,1 centavo: pela construção de creches.
0,1 centavo: pelos aposentados.
0,1 centavo: pela melhoria das ruas.
0,1 centavo: pela melhoria do trânsito.
0,1 centavo: pela construção de metrôs.

Total pelos protestos: 20 centavos.

Total ainda na mão do governo: 3 reais.

Read Full Post »

SÓ 20 CENTAVOS

Protesto

20 centavos custou a Arena Pernambuco. 20 centavos a Arena da Amazônia. O novo estádio Mané Garrincha, em Brasília. 20 centavos o Castelão, em Fortaleza. Foi este o preço do novo Maracanã. 20 centavos também a Arena das Dunas, em Natal. O Itaquerão em São Paulo. Em Curitiba, 20 centavos foram gastos na Arena da Baixada. A Arena Fonte Nova, em Salvador, saiu por este mesmo valor. A Copa das Confederações ao governo custou: 20 centavos. É este o milionário salário do Neymar no Barcelona. Sei que ele não tem nada a ver com o rombo nos cofres públicos: 20 centavos nos últimos anos. Todo o orçamento da Copa do Mundo 2014: 20 centavos. Quanto vão custar as Olimpíadas: não mais que 20 centavos. Tudo neste país. As terras dos índios. Os juros. Os salários. O preço da passagem de ônibus: 20 centavos. Uma passeata. Uma rebelião. Uma luta armada. Só. 20 centavos. Por uma causa. E aí, meu irmão? Quem é que paga?

Read Full Post »

POEMINHA PARA OS NAMORADOS

Namorar é
inaugurar um olhar.

Um jeito de estar
no mundo.

É quando o coração
vem morar
noutro planeta.

Namorar é
o mesmo que nascer
e respirar.

É deixar a sorte
acontecer
no fundo do peito.

Dar de comer
e de beber
ao sentimento.

Namorar é
muito melhor
do que amar.

Amar cansa
e amar é sofrer.

Namorar
não tem
nada a ver
com isto.

Desde criança
você sabe
e me ensina.

Tão bom quanto
beijar menino.

E beijar menina.

Read Full Post »

ESTOU FICANDO VELHO

Noto que estou ficando velho. Porque desaprendi a caminhar na rua. Fico tonto em meio à multidão. Enrosco e desenrosco. Estou parecendo um parafuso. Frouxo.

Noto que estou ficando velho. Porque agora eu sou mais pontual. Tenho acordado animado para tomar café com leite. Eu que nunca gostei de leite. E estou proibido de tomar café.

Noto que estou ficando velho. Porque tenho contado nos dedos o número de amigos. Verdadeiros. Alguns já estão morrendo. Tão cedo. Cedo.

Noto que estou ficando velho. Porque detesto grito de criança. E latido de cachorro. E nem tenho ouvido tanto grito e latido. Meu ouvido anda mouco.

Noto que estou ficando velho. Porque me deu na cabeça de fazer um jardim. Juro. Estou entendendo tudo sobre adubos. Flores. Vivo cheio de amores por um beija-flor.

Noto que estou ficando velho. Porque acabei de escrever um romance. Deixei os contos de lado. Os microcontos. Minha alma diz que cresci. Até que enfim. Maduro.

Noto que estou ficando velho. Porque não me olham do mesmo jeito. Quando eu passo. Havia algo em meu peito que chamava a atenção. Agora é só tosse. E solidão.

Noto que estou ficando velho. Porque hoje estou mais feliz. Garanto. Dono de meu tempo. Nem penso na morte. Estou ficando velho. Nesta vida. Eis a minha grande sorte.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: