Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \09\+00:00 2020

ENSAIOS DE IMPROVISO

*

A PIOR CRÍTICA

Vê, tem crítica que eu leio sobre um determinado livro e não sei se o crítico gostou ou não gostou. Fica ali, o verbo em cima do muro. Sacou? Como saber? Uma vez o genial Millôr Fernandes me deu uma dica: palavra que brilha. O quê? Se o texto traz “brilhante”, “ótimo”, “promissor” (nem tanto), “satisfatório”, “grande”, “preste atenção”. Sim, a crítica é boa. O que não quer dizer que ela não seja ruim. “A pior crítica que eu recebi era muito boa”, falou o autor de A Bíblia do Caos. Ou nem falou. Eu que estou colocando palavras na boca do Millôr. “Alguém já viu um crítico à luz do dia?”. Essa pergunta, juro, é dele, criador da Bíblia. Lá ainda está escrito: “Crítico de cinema e teatro é um cara que já foi tanto a cinema e teatro que, naturalmente, detesta cinema e teatro”. Eta danado! O rapaz continuou ali, esperando eu falar algo, dar uma luz ao seu dilema. “Não sei se eu, porventura, aguento uma resenha demolidora sobre o meu trabalho, a minha literatura”. Fácil. Não espere por nenhuma resenha. Aliás, já se foi o dia em que a crítica tomava conta dos jornais. Os suplementos literários acabaram, não existem mais. O Rascunho, de Curitiba, ainda traz umas análises demoradas. No Facebook, muitas leituras surgem. No Instagram, comentários de booktubers. Quem? Booktubers. Daí ele fez uma cara que não entendeu o meu inglês pernambucano. Sou do tipo que mal sabe falar shopping center, falei. Eu gosto mais de mano do que de brother. Sigamos escrevendo. Eu disse: estamos, hoje, no Tempo da Escrita. Em todo canto, melhor é soltar o verbo, a expressão. Pegue seu conto, seu verso, seu romance pela mão. Não fique esperando aprovação de ninguém. Toma que o livro é teu. Tem sempre alguém dizendo o que (e como) você deve fazer. Geralmente quem não fez aquilo que só você fez. Fica tranquilo, amigo, estou do teu lado. Ele me olhou, um tanto decepcionado, não sei. No fundo, não quer o meu apoio. Não precisa do meu conselho. A ele faz falta o que ele não tem. Assim: o que vem de fora é bem melhor. Quem disse que ele acredita em mim? Ave nossa! Não há, nesse mundo, uma crítica pior.

*

Read Full Post »

TODO MUNDO DE PARABÉNS

*

A poeta Geni Guimarães faz aniversário hoje, dia 8 de setembro.

Acabei de ligar para ela para dar os parabéns. E ela, ao telefone, devolve os parabéns a mim, a toda “equipe maravilhosa da Balada Literária”. E complementa: “vocês foram um presente para minha vida”.

Geni é um presente para nós.

Recebam também o abraço da poeta (na foto, ontem, nos acompanhando on-line) os guerreiros Nelson Maca e Wellington Soares, todos os apoiadores, parceiros e parceiras e o público (inclusive o daqui do blogue) que acompanhou a nossa Balada em Teresina, Salvador e São Paulo.

Salve e salve.

E vida longa para Geni, para a Balada e aquele superabraço.

*

Read Full Post »

« Newer Posts

%d blogueiros gostam disto: