Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Textos’ Category

JUNTANDO OS OSSOS

*

UMA BALADA PARA TODXS

Não.

Eu não vou lembrar de tudo.

Dos sufocos que passamos e como, nesses sufocos, fomos socorridos.

Explico: muita coisa aconteceu no palco do Auditório Ibirapuera. Desde espetáculos que eu assisti, a filmes e concertos. E até eu mesmo, diretamente, com a programação da Balada Literária.

Uma revolução o que o Itaú Cultural fez à frente da administração do Auditório. Edson Natale e equipe sempre de braços e ouvidos abertos para nossas loucuras.

Repito: perdi a lista infinita dos acontecidos.

Aí em cima, por exemplo, eis o dia histórico em que o querido Wagner Moura dirigiu uma leitura dramática, com texto original de Ana Maria Gonçalves.

Vários atores e atrizes convidados por ele que, tão generosamente, veio participar do evento no ano de 2016.

Wagner saiu, da experiência, admirado com a competência de todos e todas que estavam à frente, nos bastidores, do funcionamento de um palco, de fato, aberto para o novo, para o inusitado.

Essa parceria com o Itaú Cultural com a Balada Literária vem desde 2006, o primeiro ano do evento. No Auditório Ibirapuera, desde o começo da gestão. Uma parceria que se manteve até o ano passado.

Tudo para dizer que Edson Natale e equipe acabaram de entregar a missão para uma outra empresa, conforme licitação feita junto à prefeitura de São Paulo.

Ficam aqui o meu agradecimento e o da equipe da Balada pela confiança nas nossas “viagens” e na solução de muitos “enroscos” que os profissionais do Auditório Ibirapuera nunca deixavam enroscar. Tudo era sempre solucionado e abraçado por pessoas que, verdadeiramente, acreditam na arte e nos mais diversos artistas de nosso país.

Ficaremos atentos e atentas e desejando sucesso e sorte para aqueles que a partir de agora ocuparão o espaço que continua, sim, sendo da Cidade de São Paulo. Que deem, portanto, continuidade a um legado que fica para a história.

E, eternamente, na nossa “baladeira” memória.

*


Read Full Post »

ENSAIOS DE IMPROVISO

A POESIA VERTICAL

*

Poesia não é horizonte. Nenhuma promessa de futuro. Nada vislumbra. A poesia não é ponte. Não aponta. Não faz sol nascer. Nem morrer. Céu estrelado para quê? Não é um amor que vem. Não há ninguém além. É um salto. Abismal. No fundo do precipício. Por dentro. No vácuo. A literatura, sempre, um movimento vertical. Aprendi lendo Roberto Juarroz. Argentino apresentado a mim por Fabrício Corsaletti. Estávamos no México. Eu e Fabrício. Na Feira do Livro de Guadalajara do ano passado. Eis ali a antologia, Marcelino. Gritou Corsaletti. Avante. À venda em uma banqueta. Da reunião de um apanhado dos livros de Juarroz. Elogiado por Octavio Paz. Julio Cortázar também nos diz: “é o apoderamento total de nosso ser por meio de sua poesia”. Tudo o que o poeta escreveu recebia o título de Poesia Vertical. A saber: Segunda Poesia Vertical. Terceira Poesia Vertical. Décima Poesia Vertical. E foi assim até morrer em 1995. “Também as palavras vão ao solo / feito pássaros repentinamente enlouquecidos / em seus próprios movimentos / objetos que perdem de repente o equilíbrio / homens que tropeçam sem que existam obstáculos para isso”. Uma queda em cada verso. Um mergulho para a morte: “Viver é um suicídio”. Não me canso de dizer. Um escritor, para valer, é aquele em que abrimos uma página qualquer e, de lá, salta o que não cremos. Nem imaginaríamos. Igual a um resgate de navio naufragado. Desaparecido no tempo. Fisgar um peixe, à tona, direto dos esconderijos do mar. “Criar palavras não para dizer / ficar apenas a contemplá-las / como se fossem rostos / de recém-nascidas criaturas do abismo”. Depois de ter lido Roberto Juarroz, entendo finalmente por que eu vivo pescando de outros poetas e de outras poetas um corpo vivo. Trazido à mão, um poema-peixe que se debate, como em um verso escrito por Adélia Prado. Algo que, dessa minha ida ao inferno, aos calabouços de um livro, só eu consegui trazer à margem. O leitor-leitora como escafandrista de uma linguagem perdida. Todo livro aberto, um convite ao salto. Salta, Marcelino. “Um mar de palavras / cobrindo uma praia solitária”. É tudo ou nada. Avante. “Nascer juntos / como deveriam nascer e morrer / todos os amantes”.

*

Read Full Post »

QUARANTENADO

A convite da revista da Ria Livraria, editada pelos queridos Morgana Kretzmann, Ian Uviedo e Jarbas Galhardo, publiquei por lá 50 anotações sobre o “amor” (tema desta terceira edição da revista). Eta danado! São anotações que faço em meus caderninhos. Das 50, acompanhem aqui cinco. Para ler as outras e, inclusive, saber de outros textos e de outras autorias, cliquem aqui em cima e salve e salve e maravilha!

*

[1]

Asilo é o hospício do amor.

*

[2]

No coração da árvore
deu cupim.

*

[3]

O amor não tem preço.
É o preço que se paga.

*

[4]

Pedi que ele desse um tempo.
Nem isso ele deu.

*

[5]

Um mendigo entende mais de amor
do que de fome.

*

Read Full Post »

ESCREVER É OSSO

Read Full Post »

HOMENAGEM A GUZIK

*

Hoje, 26 de junho de 2020, são dez anos da morte do nosso querido Alberto Guzik.

Na minha live Na Hora do Almoço, fiz uma edição especial em homenagem a este escritor, ator, diretor.

Muitos amigos e amigas participaram de um papo emocionado. Relembrando a sua trajetória como crítico teatral e a volta aos palcos depois de 40 anos afastado.

A foto aí em cima é um registro raro de Alberto Guzik em uma das primeiras edições da Balada Literária (foto feita pela querida Ivana Arruda Leite). O ano é o de 2008 e a homenageada era a Tatiana Belinky, escritora que foi uma das primeiras incentivadoras da carreira desse grande mestre e amigo.

Para que a homenagem continue por aqui, peço que vocês acessem neste linque o relato de Sergio Zlotnic (o sobrinho de Guzik, que também esteve hoje com a gente via live), um lindo tributo escrito no ano de 2010 e que volta agora com ainda mais força.

Escreverei um artigo sobre Guzik nos próximos dias. E um outro artigo sobre Suzana Amaral que nos deixou ontem. Fiquem de olho.

Sobre a live especial, vocês encontram os dois blocos de conversa lá arquivados no meu Instagram.

E, antes de ir embora, lembrem-se de que amanhã, 17 horas, estreia o programa VêSó no Facebook do b_arco.

Espero por vocês e bom final de semana e cuidem-se e beijabraços.

*

Read Full Post »

PARA PENSAR ANDANDO

*

A LINGUAGEM DOS SINAIS

Hoje, na live com a poeta Tatiana Nascimento, ela falou da obsessão pelo uso do “y” (a conversa está arquivada no meu Instagram).

Exemplo: “planar é pouso / no meio do ar / y quem tá / com fôlego curto / precisa coragem de / mergulhar”.

O “y” substitui a letra “i”, sempre, para ligar a escrita de Tatiana aos hermanos latinos.

Eu aí disse para ela que via o uso do “y” como forquilha, dois ganchos abertos para o alto, uma antena na atmosfera.

Eta danado!

Citei o poeta Roberto Piva, que era obcecado pelo uso do “&”. Este sinal comercial em uma poesia, construída em São Paulo, que se queria xamânica.

A saber: “fazer da anarquia / um método & modo de vida”. Ou aqui: “Tarubá & você nunca / foi a Paramaribo”.

Penso em Osman Lins nos usos de flechas, hieróglifos, quadrados e triângulos e sinais de mais (+) antes da abertura de vários de seus parágrafos. Em uma espécie de uma comunicação filosófica e matemática com outros povos.

Será?

Isso me faz lembrar o escritor Qorpo Santo que troca, em toda sua obra, a letra “C” pela letra “Q”.

Ele que era também artista gráfico e tipógrafo lá pelos anos de 1800 e carambola.

Escrever é desenhar na página. Faz tempo que falo. E até, mais do que escrever, “inscrever”, “instaurar”, “fundar”, “fincar” no papel.

Nayara Fernandes, poeta piauiense, em seu livro Asas de Pedra, é exemplo de uma assinatura que se faz entres parênteses, chaves e colchetes: “enamore [tuas] sombras / sob a escuridão escrava / faça amor com [tua] alma”. Um verso que parece não voar o tempo inteiro: “vivo a felicidade fênix / [(re)feita] da dor do sangue / da cinza [(in)feliz]”.

O assunto é longo.

Quero ainda falar do uso de dois pontos (:) no título do livro Grande Sertão: Veredas, por exemplo.

Ou quando António Lobo Antunes abre mão do uso do ponto final e deixa sempre o parágrafo aéreo, flutuando, aberto para a próxima frase.

Considerações y questões que fi(n)cam para + tarde.

*



Read Full Post »

APLAUSOS

*

É uma aula de teatro.

Não, é uma aula de literatura.

Não, é uma lição de poesia.

É tudo isso e ainda mais. Durante a conversa que tive hoje, no Instagram, na minha live Na Hora do Almoço.

O convidado foi o ator e diretor Elias Andreato.

Falamos de sua trajetória, do encontro dele com Maria Bethânia, com Paulo Autran, com tantos atores e atrizes – alguns deles nos assistindo ao vivo.

E digo: quem faz arte no Brasil é preciso aprender e apreender com este grande artista.

Ele que, no momento, está fazendo um espetáculo on-line interpretando os poemas de Fernando Pessoa e seus heterônimos (imagem acima).

No sábado que vem Elias irá fazer, às 20 horas, uma nova sessão do espetáculo via linque do Teatro Vivo. Saibam mais clicando aqui em cima.

No sábado, depois da primeira edição do VêSó, a gente corre para abraçar o Elias.

E ATENÇÃO: a conversa ficou arquivada no meu Instagram. Corram para assistir. E rever, inclusive.

Uma história de vida e de entrega artística que muito nos inspira.

Fica o recado.

Amanhã, quinta, no mesma hora, meio-dia em ponto, recebo uma escritora, poeta, mestra, editora e agitadora cultural lá de Brasília.

Venham saber quem é.

Pouco a pouco a gente chega, juntos e juntas, aonde o nosso coração deseja e quer.

Reexistiremos. Gratidão, mestre Elis Andreato, aquelabração e cuidem-se e até.

*

Read Full Post »

QUARANTENADO

*

Carlinhos Antunes é um grande músico. Um grande instrumentista. Um grande maestro. Um grande amigo. Caso não conheçam o trabalho dele, é só ir ao linque aqui e vejam o que ele faz, por exemplo, à frente da Orquestra Mundana Refugi. Pois bem. Carlinhos e Gabriel Levy me convidaram para participar de uma live (imagem acima) feita para apoiar a arte e seus criadores. Carlinhos me pediu um texto. Em vez de pegar algo que eu já tivesse escrito, me inspirei, a partir de uma música que ele me mandou, a escrever o poema que segue abaixo. A live vai ao ar às 21 horas desta quinta, dia 25 de junho, via página no YouTube do Estudio 185. Eu aparecerei em vídeo interpretando o que escrevi. Eta danado. Valeu e todos juntos e juntas dentro dessa mesma emoção e fui e aquelabraço.

*

PARA DENTRO
[Texto inédito de Marcelino Freire]


mas a música não sempre foi
para dentro o pianista dobrado
a costela entre as teclas os ossos
dos dedos puxando as alavancas
e a percussão que vem de antes
da música existir o silêncio
que fazemos para ouvir o tempo

qual é o vosso espanto?

mas a dança não sempre foi
para dentro o bailarino arqueado
puxando pelos braços pondo
a ponta do pé para afundar
nos abismos um cego que abre
as frestas aéreas do pensamento

qual é o vosso espanto?

mas a poesia não sempre foi
para dentro o poeta o próprio
mistério entre as palavras um
viajante um camelo sem medo
buscando distante a fonte da água
na memória do esquecimento

qual é o vosso espanto?

mas o teatro não sempre foi
para dentro o ator a atriz
debaixo da luz na sub-sombra
alcança o olho de quem vê
a cena passe a perceber o seu
destino em equilíbrio suspenso

qual é o vosso espanto?

o som a dança o verso o drama o palco
o abraço que recebemos de todos
os artistas pela vida afora na hora
da morte no instante mais violento
o amor que acontece quando tudo para
por dentro a própria alma em movimento

*   

Read Full Post »

PARA PENSAR ANDANDO

TUDO O MAIS É POESIA

A concisão.

As frases curtinhas.

Não é fácil.

Aí dizem que é coisa de escritor preguiçoso. Linha, assim, uma linhazinha. Microconto ou filosofia de caminhão.

Eu não.

Sempre falo: “diga logo o que você quer e vá embora”.

Feito os grandes poetas, mesmo quando escrevem haicais.

Millôr Fernandes, aliás, escreveu vários.

E até uma bíblia ele escreveu, toda tomada de mínimas máximas.

A própria bíblia não é feita de versículos?

Eis algumas anotaçãozinhas do Millôr: “Baco é um deus inventado pelos bêbados”, “Pedestre é o sujeito que atravessa a rua pela última vez”, “O pior do rabo é ter que acompanhar o elefante o tempo inteiro”.

Coisa de publicitário, dirão.

Paulo Leminski foi publicitário. Décio Pignatari também. Dois publicitários que foram além.

Jornalistas também são muitos os casos. Acostumados com o tamanho das colunas. Finitas para tantos assuntos infinitos.

Destaco, nessa linhagem, Dirceu Ferreira, mineiro de Araxá e, por sinal, primo do escritor Evandro Affonso Ferreira, autor do enxuto Grogotó. Ambos da família dos microformatos.

Escreveu Dirceu: “O homem não veio do macaco. Vem vindo”.

A história da humanidade (desumanidade) toda em um pensamento só.

Um lapso. Uma pedra de escândalo. Um vexame.

Escrever desse jeito é cuspir veneno na cara do leitor e voltar para o buraquinho de onde veio.

A palavra que vale mais pelo que não está escrito.

Revisito La Rochefoucauld: “É uma grande habilidade esconder a própria habilidade”.

Adília Lopes nos diz: “Podia ser muito feliz se não fosse muito infeliz”.

Eta danado!

Adoro esses versos rápidos.

No recém-lançado livro Feira Orgânica, de Felipe Futada, ele reúne ensaios, poemas, crônicas e um “diário de obsessões”.

Diário de toda uma vida, creio. Pura poesia. A saber: “o romance ganha por pontos; o conto por nocaute; a crônica pela esquiva e a poesia é uma luta perdida”.

Pois é.

Escrever é perder.

*



Read Full Post »

ENSAIOS DE IMPROVISO

A IDADE DA ESTREIA

Adélia Prado, 40. Amara Moira, 31. Ana Cristina Cesar, 27. Augusto dos Anjos, 28. Caio Fernando Abreu, 22. Carolina Maria de Jesus, 46. Carlos Drummond de Andrade, 28. Castro Alves, 23. Cecília Meireles, 18. Conceição Evaristo, 44. Cora Coralina, 75. Clarice Lispector, 24. Daniel Munduruku, 37. Eliane Potiguara, 39. Ernesto Dabó, 62. Fernando Pessoa, 46. Ferréz, 22. Gabriel García Márquez, 28. Geni Guimarães, 32. Graciliano Ramos, 41. Hilda Hilst, 20. João Cabral de Melo Neto, 22. João Silvério Trevisan, 32. Jorge Amado, 19. José Saramago, 25. Juan Rulfo, 36. Julio Cortázar, 24. Lima Barreto, 28. Lygia Fagundes Telles, 15. Machado de Assis, 25. Manoel de Barros, 21. Manuel Bandeira, 31. Marçal Aquino, 27. Márcia Vinci, 84. Miguel de Cervantes, 38. Nelson de Oliveira, 29. Nelson Maca, 52. Noémia de Sousa, 65. Patativa do Assaré, 46. Paulo Lins, 39. Raduan Nassar, 40. Raimundo Carrero, 28. Regina Azevedo, 13. Santiago Nazarian, 26. Sérgio Vaz, 24. Yukio Mishima, 23. Eu, 28. E você, quando? Não precisa responder. A estreia não precisa ser em editora. Em livro. Pode ser on-line. Na rua. Jamais. Nunca. Apenas na garganta. Quando você abre um verso. Diz uma palavra. Lança um verbo qualquer. Nem quer saber. Toda palavra funda-se em si própria. Morre bem na hora em que acaba de nascer. Pois é. Até. Aqui só na segunda. Fiquem em casa. Fiquem bem e vamos que vamos e beijos na bunda.

*

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: